O Defunto – Eça de Queirós

O Defunto - Eca de Queiros

O Defunto – Eça de Queirós – Ela ficara sobre o escabelo, as mãos cansadas e caídas no regaço, num infinito espanto, o olhar perdido na escuridão da noite silente. Menos escura lhe parecia a morte que essa escura aventura em que se sentia envolvida e levada! Quem era esse D. Rui de Cardenas, de quem nunca ouvira falar, que nunca atravessara a sua vida, tão quieta, tão pouco povoada de memórias e de homens? E ele decerto a conhecia, a encontrara, a seguira, ao menos com os olhos, pois que era coisa natural e bem ligada receber dela carta de tanta paixão e promessa…

Assim, um homem, e moço decerto bem nascido, talvez gentil, penetrava no seu destino bruscamente, trazido pela mão de seu marido? Tão intimamente mesmo se entranhara esse homem na sua vida, sem que ela se apercebesse, que já para ele se abria de noite a porta do seu jardim, e contra a sua janela, para ele subir, se arrumava de noite uma escada!… E era seu marido que muito secretamente escancarava a porta, e muito secretamente levantava a escada… Para quê?… O Defunto – Eça de Queirós.

Formato: ePub / Pdf

Tamanho: 150 Kb / 386 Kb

O Defunto – Eça de Queirós
ePub (https://sendit NULL.cloud/0vteh0y298mo) | Pdf (https://sendit NULL.cloud/0k0jk4xqzz4a)


Compatilhe!



Deixe um comentário

avatar